Seleccionar página

TRADUÇÃO TELEPÁTICA DA GEOMETRIA DE NAZCA; DITADO PELO DIVINO PAI JEOVÁ; ESTA GEOMETRIA CORRESPONDE AOS MESMOS AUTORES DOS DESENHOS DAS PEDRAS DE ICA; ESTA GEOMETRIA SIMBOLIZA A ORIGEM GEOMÉTRICA DA TERRA; ELA REPRESENTA OS SÓIS ALFA E ÔMEGA DA GALÁXIA TRINO; SEUS AUTORES SÃO OS VINDOS DO PLANETA AMARELO; PLANETA JÁ EXTINTO; SEUS AUTORES FIZERAM TAIS GEOMETRIAS COM O PROPÓSITO DE REVELAR SUA PASSAGEM PELA TERRA; PORQUE SENDO ELES PROFÉTICOS, SABIAM QUE SUA PASSAGEM PELA TERRA ABRANGERIA APENAS UM PERÍODO; AS MATEMÁTICAS DESTAS CRIATURAS SÃO DE ORIGEM SOLAR; DOMINAVAM OS NÚMEROS VIVENTES; POSSUIAM A VISÃO NUMÉRICA; CONVERSAVAM COM A MATÉRIA EM UM TERÇO DE UM TODO CONHECIDO; ESTA REMOTÍSSIMA CIVILIZAÇÃO NÃO É DO TRONCO DE ADÃO E EVA; ELES TIVERAM SUA ORIGEM NO PLANETA AMARELO; PORQUE O DE ACIMA É IGUAL AO DE ABAIXO; EM TODOS OS PLANETAS, DO UNIVERSO EXPANSIVO PENSANTE, HÁ E HOUVE TRONCOS ORIGINAIS; MUITAS DESTAS CRIATURAS GALÁTICAS, O MUNDO AS VERÁ; PORQUE SERÃO RESSUCITADAS DO PÓ, PELO FILHO PRIMOGÊNITO SOLAR CRISTO; PORQUE EM VIRTUDE DO LIVRE ARBÍTRIO DOS ESPÍRITOS, É QUE UNS PEDIRAM JUÍZO FINAL NO PLANETA TERRA, E OUTROS FORA DA TERRA; AS LEIS DO CRIADOR SÃO IGUAIS TANTO ACIMA QUANTO ABAIXO.-

As geometrias e as matemáticas de todas as civilizações que houveram neste planeta, foram criadas nos sóis Alfa e Ômega, do Macrocosmo chamado Reino dos Céus; foram criadas no mesmo lugar, onde foi criada a vida humana; o todo sobre o todo, saiu de um mesmo lugar do Cosmos; e sendo um mesmo lugar, foi ao mesmo tempo, em todas as partes do Cosmos; porque toda lei saída do Pai, jamais se detém; é eternamente expansiva; se acabarão os atuais mundos materiais, e os divinos mandatos do Pai Jeová, continuarão expandindo-se na forma de novos mundos; esta lei expansiva do Universo, a sabiam os criadores de geometrias e matemáticas, das civilizações do passado; é por esta causa, que o elemento geométrico por eles empregado, foi o ponto, a linha e o círculo; nas matemáticas de Nazca, seus criadores se inspiraram em leis, que sabiam que tinham que vir com eles, e com os seres que nasceriam no futuro; sabiam muito dos atuais homens; sabiam inclusive, que a atual geração, cairia em uma estranha influência psicológica, como resultado de seu complexo de possessão ao ouro; sabiam que nesta estranha influência, o atual homem, se regiria, não pelas leis cósmicas; mas sim, pelas estranhas leis do ouro; o resultado disso, é que o homem não vê como um algo próprio, o Cosmos do qual nasceu; esta estranha cegueira de sua própria realidade, custa ao homem, o não voltar à entrar no Reino dos Céus; por suas próprias atitudes estranhas, o mesmo homem se deserda; estas criaturas, autoras de muitos desenhos geométricos, gravados em pedras ou rochas, quiseram advertir a atual geração, do perigo que corriam, ao deixar-se influenciar pela estranha sensação, que causa em todo espírito, a possessão do ouro; eles sabiam a causa do futuro juízo, que teria que enfrentar o atual gênero humano; porque além de suas faculdades proféticas, eles recebiam comunicações galáticas; porque eles viveram a Era dos Céus Abertos; uma era fascinante em que não se despertou em nenhum daqueles que a viveram, o estranho apetite da possessão; eles viveram, o que atualmente o homem luta para viver; o próprio sistema do ouro, lhe afoga e o limita; porque três quartas partes de seu esforço mental, gasta em conseguir seu próprio sustento; os causadores de tal atraso nos demais, pagarão segundo por segundo, o tempo de todos os séculos, que durou o estranho reinado do ouro; as criaturas de Nazca e a de outras civilizações, sabiam de tudo isto; como sabiam de outros juízos que teve a Terra, quando ainda não brilhava o sol sobre ela; era a era da escuridão relativa; porque tal escuridão, começou do mais preto, ao menos preto; passando por infinitos matizes de escuridão; estas criaturas sabiam em que consistia a divina palavra vivente do Criador de todas as coisas; sabiam que todo o saído do Criador, constituía uma só linha geométrica; e que esta linha abrangia o todo sobre o todo; abrangia ao espiritual e ao material; e sabiam que esta linha, vinha sucedendo-se de mundo em mundo e de sol em sol; deste conceito nasce o Verbo divino que tomou a forma de vida humana; em outros universos que estão dentro do mesmo Universo, o verbo divino tomou outras infinitas geometrias; porque se o de acima é igual ao de abaixo, o verbo divino possui divino livre arbítrio; tal como os homens possuem livre arbítrio humano; e como o livre arbítrio está também no todo sobre o todo, é que todo livre arbítrio, está também composto de linha solar Alfa; linha solar Alfa, é o lugar onde nasceu a Terra; é o lugar onde nasceu como uma microscópica fagulha; a fagulha saída dos sóis Alfa e Ômega, ainda tem fogo em seu centro; a parte exterior da fagulha, veio esfriando-se e se constituiu em crosta terrestre; o acontecido com a fagulha, é o mesmo que lhe acontece à semente das plantas; o espaço fez germinar a fagulha; o magnetismo atmosférico em aliança com todos os elementos do Universo, fez brotar a fagulha; se diz que o de acima é igual ao de abaixo, porque esta lei de fazer brotar ou germinar é tanto para o microscópico como para o colossal; é tanto para uma planta como para o planeta mesmo em seu conjunto; as criaturas autoras da geometria de Nazca, sabiam a lei de que o de acima, é igual ao de abaixo; eles desenharam linhas e desenhos, para que fossem interpretados desde acima, na era dos Céus Abertos; desde as naves celestiais, veriam os signos e símbolos feitos por eles; a sabedoria deles, a gravaram em mensagens, como geometrias em pedras ou rochas; porque a pedra ou a rocha, sobrevive um maior tempo, aos intenpêres e erosões que causa o desenvolvimento do tempo; os mais profundos dentre eles, até sabiam daqueles que se interessariam pelo estudo de seus gravados; toda rocha ou pedra gravada, existente neste mundo, será traduzida pela telepatia vivente entre Pai e Filho; ao traduzi-las, se irá desmoronando todo o falso edifício, da falsa história, surgida do estranho sistema de vida, saído das estranhas leis do ouro; a atual história é falsa, porque os homens caíram em falsidade; a maior falsidade dos homens, consiste em que havendo prometido ao Pai Jeová, cumprir com sua divina moral, em uma forma de vida, não a cumpriram; porque dos homens saiu a estranha desigualdade; uma desigualdade que nada deste mundo, pediu ao Pai; porque nada desigual se pede ao Pai; a desigualdade se materializou no estranho sistema de vida, saído das leis do ouro; isto constitui a maior tragédia para esta humanidade; porque de tão estranho sistema de vida, a criatura humana de todas suas generações, conheceu o que jamais devia ter conhecido; conheceu o escândalo, o vício a imoralidade; conheceu o que não pediu; e quem fez nos distantes mundos ou planetas, o que não pediu no Reino dos Céus, não volta a entrar no Reino; o teste da vida, consistia em cumprir no distante planeta, o que estava escrito no Reino dos Céus; e que cada um pediu e prometeu cumprir, por sobre todas as coisas imagináveis; isto também o sabiam os criadores dos gravados de Ica e Nazca.-

Alfa e Ômega

Esta figura mostra uma criatura prostrada; seu símbolo indica Alfa e Ômega; lugar de origem do planeta Terra; a posição dos braços tem a geometria de um ângulo reto de 90°; representa a geometria original com que nasceu a fagulha solar, da que é atualmente a Terra; toda fagulha original de todo planeta, nasce com uma geometria própia; há tantas geometrias planetárias, como planetas há no Universo expansivo pensante; dos que houveram e haverão; os braços da criatura possuem 3 linhas pararelas; isto mostra a trindade linear porque todo elemento conhecido e desconhecido, possui trindade; porque nada é deserdado nem no mais microscópico; a trindade era para eles, o Alfa e o Ômega, da galáxia Trino; Trino significa três em um; o Pai, o Filho e o Conhecimento chamado Espírito Santo; cada um ao criar seu próprio conhecimento, cria seu próprio espírito santo; cria sua própia trindade em seu conhecimento; o que a figura leva em si mesma, sua própria trindade, significa que cada qual, se lavra seu próprio céu; esta figura composta de cabeça, braços e pernas, ensina que as ideias mentais, tem em seu microscópico princípio, o mesmo princípio que regeu para a primitiva fagulha, da que é a Terra; indica que o de acima, se repete abaixo; quer dizer que cada vez que se pensa, a ideia gerada nasce em forma linear Alfa, percorre de forma instantânea o corpo físico, e o abandona em forma circular ou círculo Ômega; estas criaturas sabiam, o que sabia o Filho Primogênito Solar Cristo; ele disse: Sou o Alfa e o Ômega; o que quis dizer o Filho de Deus, foi que havia um lugar cósmico chamado Alfa e Ômega, do qual nasceu a Terra; as linhas Alfa da figura, estão unidas ao corpo da mesma; isto significa unidade no todo sobre o todo; significa que nem uma molécula é independente do resto do Universo; e significa que tudo retorna ao seu lugar de origem; o que ambos braços tenham as linhas Alfa, significa que existem trindades criadoras de mundos, que são iguais e ao mesmo tempo diferentes; porque um braço é esquerdo e o outro direito; nos braços há quatro linhas Alfas; o que significa figura em revelação, contendo nela, a interpretação da trindade; porque se o todo sobre o todo, contém trindade, o quatro geométrico e o quatro numeral, também a possuem; a interpretação de quatro linhas, nos braços, significa que conheciam a Trindade Binária; para eles, o quatro representava uma Trindade de maior hierarquia entre as trindades que conheciam; as linhas Alfas da figura, ensina também que de cada um nasce a dimensão chamada destino; e que todo destino da trindade nossa, faz uso de espaço, tempo e conhecimento ou filosofia vivente; o quatro representa o quadrado feito número; o que significa que a Trindade, está em todas as trindades geométricas, numerais, filosóficas, criando o todo sobre o todo.-

Cabeça da figura: representa a divina Mãe Solar Ômega; representa a fecundação universal; Alfa fecundou Ômega; porque se o de acima é igual ao de abaixo, acima também se cria, como se cria abaixo; acima, criações solares; abaixo criações humanas; a herança se transmite por todo o Universo; o círculo Ômega representa um retorno sem fim; representa uma eterna transformação; que não cessará jamais; representa um sempre jamais, de um presente; sem considerar que em outros infinitos presentes ocorre coisa igual; a eternidade era para estas criaturas, infinitos presentes, que jamais poderão ser contados; o círculo Ômega, representa o feminino de toda a criação; Alfa representa o masculino; esta figura possui psicologia galática; seus criadores trataram de imitar o avião dos atuais seres humanos; compreenderam muitos séculos atrás, o que agora, o homem trata de compreender; a compreenssão deles, era compreenssão profética; exploravam o futuro; a diferença fundamental entre eles e os atuais seres humanos, consistia em que eles sabiam em forma universal, seu próprio lugar de origem; sabiam que seu planeta Amarelo, era mais antigo que a mesma Terra; e sabiam que ambos planetas, foram criados pelo Pai solar Alfa e a Mãe Solar Ômega; e sabiam que todo sol de qualquer sexo, constituiam a divina trindade solar no divino Pai Jeová; a cabeça da figura representa também, a forma como se expande o Universo expansivo pensante; e representa as ondas de toda ordem na natureza; entre elas, estão as ondas geométricas, do fogo do Filho Primogênito Solar Cristo; de seus olhos sairão linhas magnéticas que queimarão todo corrompido; este fogo do Filho de Deus, está constituído pelos números ou matemáticas viventes; as mesmas matemáticas e números viventes, com que foi calculada a criação de toda vida humana; e a de toda criatura da criação; o círculo Ômega representa em profecia, o governo mundial das mulheres; porque a igualdade tendo saído do Pai, triunfa sobre todos os estranhos conceitos, que o homem teve, no teste da vida; certamente que da libertinagem, jamais sairá igualdade alguma; é por isso, que o estranho sistema de vida, saído das leis do ouro, jamais pode nem nunca poderá, dar à humanidade, a sonhada igualdade; para que isso ocorra, tem que desaparecer o próprio estranho sistema saído do complexo ao ouro; este estranho complexo que faz da criatura um libertino, foi visto pelas criaturas de antigas civilizações; e a psicologia que dele aprendiam, era uma psicologia, de que se estava jogando de forma perigosa, com o próprio destino espiritual; eles chamavam à estranha libertinagem, trevas; porque a libertinagem, não está escrita nem ensinada em nenhuma Escritura saída do Pai Jeová; a mais microscópica estranha prática, nos distantes planetas, é suficiente, para não voltar a entrar no Reino dos Céus.-

A parte baixa da figura, representa as raízes de uma árvore; as linhas Alfas representam suas ramificações; isto significa que toda herança galática, surgiu do pó dos planetas; porque matéria e espírito, se iniciaram partindo pelo mais microscópico; toda árvore começou pela semente; no Universo infinito, onde ninguém conhece o planeta Terra, se chama as famílias planetárias, árvores galáticas; sinônimo eterno de herença eterna; dalí provém o término de tronco; o tronco galático, representa o princípio de um determinado gênero de criaturas nos planetas; o tronco é a cabeça de uma forma de vida; Adão e Eva, são o tronco do gênero humano; e não o são, dos vindos de outras galáxias; quem não acreditou em Adão e Eva, negou um princípio planetário; todo princípio é vivente diante do Pai; e todo início se expressa em suas leis de princípio, diante de seu Criador; tal como se expressa um espírito ante o Pai; e todo princípio acusa diante do Pai, a todo espírito que lhe negou nos distantes planetas; quem negou a seus primeiros pais terrenos, ao Pai negou; porque se ensinou, que Deus estava em todas as partes; está também em todo passado; está também em todos os primeiros pais, de todo planeta; porque o de acima é igual ao de abaixo; na parte baixa e centro do desenho, se vê uma pequena raiz, em forma de tridente; significa que toda raiz foi pequena; e que toda herença deixa influência, quando a árvore hereditária a crescido; esta herança são as características das raças; e as formas geométricas das distantes galáxias, no Cosmos infinito; é assim que os atuais gravadores de pedras de Ica e de outras partes do mundo, vivem a influência de um passado; porque todo espírito nasce de novo; ou seja, a nascido muitas vezes; se nasce de novo, para voltar a conhecer vidas novas; quem não nascer de novo, não conhece novas formas de vida; se pede novas formas de vida ao Pai, porque todo espírito, deseja chegar ao Pai; e apenas pelo eterno aperfeiçoamento, se chega ao Pai; este eterno chegar ao Pai, é infinito; e em cada chegada ao Pai, se conhece uma das infinitas formas do Pai; as criaturas criadoras dos desenhos de Ica e Nazca, sabiam isto; e o sabiam em uma ciência que se ajustava à mesma psicologia, do divino Evangélio do Pai Jeová; e sabiam que a lei da reencarnação, figurava no futuro Evangélio da futura humanidade; o que eles sabiam, está escrito no divino Evangélio do Pai; Ele diz: Todo espírito nasce de novo; o que quer dizer, que todo espírito reencarna de novo; porque sendo a eternidade, a vida normal de todo espírito, as vidas planetárias, são os nasceres de novo, para todo espírito; cada nascer de novo, dá lugar a princípios planetários novos; uma lei saída do Pai, se pode expressar e entender em infinitas formas; e não deixa de ser a mesma lei; quem negou a reencarnação ou seu próprio nascer de novo, negou a todo o Universo; porque graças às alianças, com os elementos do Universo, é que todo espírito, tem a fascinante oportunidade de conhecer vidas que não conhece; o que negou a reencarnação, negou a participação dos elementos, nele mesmo; assim como o espírito negou, no teste da vida, assim também os elementos do Cosmos, o negarão seu próprio concurso, quando o mesmo espírito, peça no futuro, conhecer outra forma de vida; apenas a divina intervenção do Pai, salva o espírito; esta estranha negação de si mesmo, nasce de uma estranha psicologia, saída de um estranho e desconhecido sistema de vida; nasce de uma estranha ilusão surgida da possessão ao ouro; esta estranha ilusão, entretém o espírito por um instante, e o afasta da eternidade; porque a cada segundo de estranha ilusão, a todo espírito que se deixou influenciar por ela, lhe corresponde viver uma existência, fora do Reino dos Céus; eis aqui que as criaturas das civilizações do passado planetário, sabiam desta tragédia humana; sabiam a causa do divino Juízo Final; sabiam que o próprio sistema de vida, inspirado no ouro, era o próprio satanás; eis aqui que todo quanto acontece à atual humanidade, eles o sabiam; e outras civilizações de outras hierarquias, sabiam o de eles; o desenho de Nazca tem infinitas interpretações; porque saiu de uma imaginação que possuía uma abismante ciência; quanto mais profunda e elevada é uma ciência, maiores são seus ensinamentos; ainda que se expresse na forma mais simples, que cabe imaginar; entre as civilizações do passado, a dos atlantes e a do mundo submarino, houveram grandes profetas; eles anunciaram as suas respectivas civilizações, suas próprias quedas; seus próprios juízos finais; o término: Juízo Final, vem acontecendo desde o princípio do mundo; agora chegou a hora, ao estranho sistema de vida, saído das leis do ouro; porque todo reino dividido, termina em Juízo Final; o estranho sistema de vida, saído das leis do ouro, dividiu o mundo em nações; viveu imitando a satanás; porque satanás dividiu os anjos ao Pai, no Reino dos Céus; e escrito está no Reino dos Céus, que nem satanás nem seus imitadores, nos distantes mundos, nenhum volta a entrar no Reino do Pai; esta abismante verdade, foi advertida a esta humanidade; escrito está no divino Evangélio do Pai: satanás divide e divide a si mesmo; as divinas parábolas e as divinas advertências do Pai Jeová, se cumprem em todo o imaginável; se cumprem no todo sobre o todo; no visível e o invisível; no que se toca e se vê; e no que se sente e não se vê; porque havendo o divino Pai Jeová, criado tudo o que existe, é que todo o imaginável o julga; e dentro do imaginável, estão todas as formas de fé, que os homens e mulheres, deram a si mesmos, no teste da vida; porque toda forma de fé, forma parte da obra humana; e escrito está, que todos os deste mundo, serão julgados, segundo suas obras; a fé é a interpretação, que cada qual deu à divina psicologia do divino Evangélio do Pai Jeová; os antigos das civilizações do passado, não estavam dentro destas leis de juízo; porque eles não se dividiram em nações; eram reinos, que formavam um todo; se eles desapareceram do cenário humano, se deve a outras causas; porque há de tudo no vinhedo do Pai; os pedidos de vidas e de circunstâncias, feitos ao Pai, foram diferentes ao do gênero humano; a circunstância do verbo foi outra; nem os elementos foram os mesmos, dos atuais; porque ao princípio do mundo, tudo era gigantesco; incluindo o tempo; um dia, uma noite, um ano, dos antigos, equivalia a quatro dos atuais; é por isso que havia gigantes e viviam centenas de anos; isto ensina, que nas reencarnações de espíritos, participam conglomerados de espíritos, que pedem marchar aos distantes planetas, em uma mesma época; e que as características destas reencarnações, tinham muito em comum; a mais microscópica característica de uma reencarnação, tem significado infinito no Reino dos Céus; porque do microscópico, seja espiritual ou material, nascem futuros Universos, galáxias, planetas, sóis, Cosmos; porque do humilde e do pequeno, nasce o colossal; as criaturas das civilizações antigas, sabiam da lei expansiva de todo micróbio; sabiam que todo planeta, havia sido micróbio; sabiam que todo o colossal, havia sido primeiro microscópico; sabiam que todo planeta, emerge do invisível ao visível; este saber, lhe foi ensinado também, à atual geração humana; o divino Evangélio do Pai Jeová disse: Há que ser humilde, para chegar a ser, grande no Reino dos Céus; e o que mais humilde que uma ideia? a ideia gerada por todos, é tão microscópica, que só se sente e não se deixa ver; o divino Juízo Final, julga toda criatura pensante, ideia por ideia; a partir dos doze anos de idade; as crianças, a inocência, não tem juízo; se este mundo tivesse criado um sistema de vida, em que todos tivessem conservado, a alegria de uma criança, durante toda a vida, estejam seguros, que este mundo, não teria Juízo Final; porque a moral da alegria, é a moral do Reino dos Céus; se assim não ocorreu, no teste da vida, se deveu ao fato de que o estranho sistema de vida, saído do ouro, incluiu a desigualdade; a desigualdade não se conhece no Reino dos Céus; a verdadeira alegria, que devia de ter saído de um sistema de vida justo, não saiu; e uma estranha alegria, foi nidificando-se em todos os corações e mentes, dos que tiveram a desgraça e a infelicidade, de encontrar-se neste mundo, com uma estranha forma de viver, idealizada por um grupo de ambiciosos; isto constitui a tragédia humana de todos os tempos; os criadores e sustentadores, de tão estranho sistema de vida, nada sabem nem querem saber, da divina moral do Pai; porque para nada, levaram em conta, o divino Evangélio do Pai, quando decidiram criar um sistema de vida; a psicologia humana girou em torno da maior capacidade de ouro, que possuía tal ou qual pessoa; a psicologia humana foi desvirtuada, por uma estranha psicologia; porque ninguém pediu ao Pai a riqueza; nem os chamados ricos a pediram; porque nada injusto se pede ao Pai; desde o momento em que nenhum rico, entra no Reino dos Céus, a chamada riqueza ninguém a conhece no Reino; e a todo o desconhecido do Reino, se chama estranho ao Reino; a mais microscópica imoralidade, é estranha no Reino dos Céus; os seres do mundo antigo o sabiam; porque pediram viver a fascinante era dos Céus Abertos; a mesma era que se aproxima a esta geração; esta era que estremecerá o mundo, a inicia o Filho Primogênito Solar Cristo; o filho maior do Pai, já está na Terra; seu rosto está madurando; quer dizer que um brilho solar, está nascendo de cada um de seus poros; porque todo brotar começa desde o mais microscópico até o maior; começa desde o invisível ao visível; muitos conversaram com o Filho Primogênito, e não se deram conta; se darão conta quando o brilho de seu rosto, se faça visível ao olho humano; escrito está que o Filho de Deus, viria ao mundo, brilhante como um sol de sabedoria; os antigos de Ica e de Nazca, chamavam o Filho de Deus, a criança da Face Radiante; vindo dos distantes sóis de cores do macrocosmo, chamado Reino dos Céus; e sabiam que sua nova aparição, seria nos últimos tempos, do estranho mundo criado e inspirado, em estranhas leis do ouro; e sabiam que sua aparição causaria espanto na besta e na rameira do estranho mundo do ouro; e sabiam que sua chegada surpreenderia o mundo; tal como um ladrão de noite surpreende a todos.-

Escreve ALFA E ÔMEGA.-